British New Wave – parte 2

Posted on Posted in recomendo
No post passado, eu falei sobre os filmes Look Back in Anger, Almas em Leilão e Tudo começou num sábado, três filmes cujos personagens principais são os “Angry man” do realismo social. Hoje as mulheres entram em cena como Um gosto de Mel (A Taste of honey / 1961) e os homens se tornam mais carismáticos em “The enterteiner”, ambos dirigidos por Tony Richardson.Em “Um gosto de mel”, nos é apresentada Jo, menina de 16 anos, sem amigos, que vive com a mãe irresponsável, mudando de apartamento para não pagar aluguel. Quando a mãe arranja um marido com dinheiro que não gosta da menina, Jo tem que se virar para se sustentar. Começando a trabalhar como vendedora em uma loja de sapatos ela conhece Geoff que logo vai morar com ela.

Assim como sua personagem principal, Um Gosto de Mel não enrola, trata de inúmeros tabus como homossexualidade, racismo, mães soleiras, etc, sem ser chato ou forçado. Jo pode não ser a mais pró-ativa das mulheres do cinema, mas ela responde bem às situações, se tornando uma heroína da classe trabalhadora.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=y7LK_-rUfdU]

Em The enterteiner (1960), o último filme que vamos tratar, o maravilhoso Lawrence Olivier interpreta Archie, um comediante falido, cheio de dívidas que nos mostra o lado menos glamuroso do show business. Os aplausos cessaram, a televisão tomou conta, mas Archie continua lutando contra a maré, tentando viver o sonho frustrado custe o que custar. Archie não é exatamente um “Angry Man”, pelo contrário ele passa pela vida fazendo piadas e arranjando namoradas cada vez mais novas. É um retrato da decadência, por isso se encaixa no tema de Realismo Social. Lawrence Olivier está simplesmente genial no filme.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=0roY4u3AFAQ]

A British New Wave sai, oficialmente, do cinemas por volta de 64, mas é errado pensar que ela acabou. A onda cinematográfica sobrevive até hoje sob outra forma, na televisão britânica em telenovelas como EastEnder e Coronation Street. E o realismo social que deu voz a uma classe até então renegada pelo cinema, continua vivo nas referências de filmes como This is England e o próprio Fish Tank, que me iniciou nessa jornada.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *